· notícias ·

Erli Fantini na Grande Galeria do Palácio das Artes

A exposição Minas Território da Arte é uma amostra da produção artística mineira das primeiras décadas do século XX aos nossos dias. Partindo de um referencial histórico destacamos artistas que atuaram e atuam nas várias regiões do estado: Norte Noroeste, Jequitinhonha, Vale do Mucuri, Central Mineira, Triângulo/Alto Paranaíba, Vale do Rio Doce, Oeste, Zona da Mata, Campo das Vertentes, Sul/Sudeste de Minas e a Metropolitana de Belo Horizonte.

Esta exposição promove o lançamento de um amplo e inédito projeto de pesquisa, que tem como objetivo registrar em livros a arte e a história das regiões mineiras, catalogação dos artistas de cada região, com reprodução de imagens de obras, textos críticos e históricos, referência para hoje e para futuras pesquisas. Muitos artistas talentosos trabalham de forma isolada em suas regiões, e, em sua maioria, ainda não tiveram nenhuma oportunidade em verem seus trabalhos apresentados. Outros ainda não tiveram a possibilidade de participar de uma exposição voltada a um público mais amplo. Assim, a exposição Minas Território da Arte cumpre papel fundamental, ao reunir uma amostra da valiosa arte mineira com 64 representantes de toda Minas Gerais. A mostra contribui para a formação de público sobre a diversidade cultural no campo das artes visuais, possibilitando a compreensão e a divulgação da cultura mineira para o Brasil e o mundo. Com esta iniciativa, e após a viabilização da publicação dos livros, preenche-se uma lacuna histórica em Minas Gerais, que, embora seja um dos estados mais ricos na produção das artes visuais e detentor de uma ampla diversidade cultural, ainda não havia recebido um estudo que apresentasse de forma sistematizada ao público toda a sua exuberância e diversidade artística da atualidade no campo da produção das artes visuais.

Para a realização do projeto de pesquisa nas diversas regiões contamos com a participação dos pesquisadores: José Alberto Pinho Neves, Walter Sebastião, Jacqueline Prado, Rodrigo Vivas e Marco Antonio Pasqualini e apoio das universidades federais mineiras e a Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais.

Fernando Pedro

Curador