· notícias ·

Erli Fantini faz curadoria de mostra sobre Toshiko Ishii

Há 9 anos, Toshiko Ishii deixava um importante legado para os amantes da arte: obras, técnicas e saudosa presença. De 20 de agosto a 23 de setembro, a Galeria de Arte do BDMG Cultural receberá a exposição em homenagem a artista, Toshiko Ishii, com peças, desenhos e alguns itens do mobiliário de sua fazenda. O acesso é gratuito. A inauguração da exposição será no dia 19 de agosto, às 19h.
Toshiko Ishii nasceu em Kyoto, no Japão, em 1911. Aos 20 anos, chegou ao Brasil, e por aqui desenvolveu sua arte. Mãe de quatro filhas, após passagens por Curitiba e São Paulo, encontrou em Minas Gerais o seu refúgio e iniciou seus trabalhos com a cerâmica aos 70 anos, de forma autodidata. Ela construiu seu primeiro forno a lenha, de alta temperatura, seguindo os modelos japoneses, em seu ateliê na Fazenda Palhano, em Brumadinho. Mergulhou em uma intensa pesquisa, retornando ao Japão para aprimorar seu conhecimento com mestres ceramistas. Passou então a desenvolver as suas principais técnicas, o bizen e o hidasuke, mas continuou os estudos de shino, oribe, kiseto e raku.

“Eu e a Adel fomos as primeiras a trabalhar com Toshiko. O trabalho dela sempre foi muito diferenciado e o forno a lenha era novidade para nós naquela época”, conta Erli Fantini, uma das curadoras da exposição. Adel Souki, que também integra a curadoria, ressalta o carinho e cuidado de Toshiko com os jovens artistas aprendizes. “Ela estava procurando pessoas para estudar junto, e nós queríamos aprender. Nossas visitas ao ateliê eram frequentes, até o dia que ela disse que não precisávamos avisar que estávamos indo encontrá-la, apenas ir”, explica a ceramista Adel.

Sua primeira exposição individual foi em 1996, no Palácio das Artes. Apesar do português um pouco difícil de compreender, Toshiko reuniu em torno de sua arte diversos ceramistas que a seguiram e a acompanharam, como Máximo Soalheiro, Sara Carone, Roberto Lott, entre outros. Seus estudos e técnicas permanecem até hoje como referências para a nova geração.

“O trabalho de Toshiko Ishii é uma referência estética para os ceramistas mineiros. Mas ela deixou também lições de convivência e generosidade, em sua forma de transmitir conhecimentos e partilhar suas pesquisas”, diz João Paulo, presidente do BDMG Cultural. Por isso, seguindo uma proposta das curadoras, na mostra na galeria da instituição serão também apresentadas peças que trazem intervenção de artistas contemporâneos, feitas a partir de trabalhos de Toshiko Ishii.
Além da exposição, as curadoras Erli Fantini e Adel Souki, e a artista Inês Antonini ministrarão oficinas de cerâmica em homenagem a Toshiko Ishii. Elas mostrarão de maneiras diferentes o raku, técnica japonesa desempenhada por Tohiko. Erli dará enfoque maior a argila e aos azulejos; Inês, trabalhará com jarros; e Adel mostrará suas técnicas para criação de tigelas. As inscrições serão realizadas por meio do site do BDMG Cultural e cada oficina terá no máximo 12 participantes. As oficinas são uma iniciativa das próprias artistas que receberão os interessados em seus ateliês.

Conheça o BDMG Cultural
O BDMG Cultural é um instituto que há 27 anos realiza ações na área da música, das artes visuais, do audiovisual e das artes cênicas. Braço cultural do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais, a instituição acredita que a cultura faz parte do desenvolvimento e está diretamente ligada a qualidade de vida. Suas ações culturais abrem espaço para jovens, novos e consagrados artistas. A galeria de arte promove exposições abertas à visitação diariamente, de 10h às 18h, inclusive aos finais de semana e feriados. A instituição faz parte do Circuito Liberdade, corredor cultural localizado em uma histórica área da capital mineira e composto por 16 equipamentos, entre museus e centros culturais.

Serviço exposição Toshiko Ishii
Abertura : 19 de agosto, às 19h
Visitação: 20 de agosto a 23 de setembro, diariamente (inclusive sábados, domingos e feriados), das 10h às 18h
Horário estendido – Quinta-feira: das 10h às 21h
Galeria de Arte do BDMG Cultural – Rua Bernardo Guimarães, 1.600, Lourdes
O acesso é gratuito – Mais informações: (31) 3219-8486

Texto: Luiza Serrano